Vivendo oTao

O cadeado

por Derek Lin

Era uma vez um cofre, contendo ouro, diamantes e outras pedras preciosas. Um forte cadeado protegia a porta do cofre, para manter seu conteúdo em segurança.

A poderoso alavanca veio e encarou o cadeado como um desafio. Nunca tinha encontrado nada que não pudesse destruir. Será que alguém acreditava que ela poderia ser mantida fora do cofre através de um simples cadeado?

A alavanca era uma espessa e pesada barra de ferro. Seu ataque já destruíra incontáveis caixotes, arcas e armários. Tinha muito orgulho de sua força e de seu poder destrutivo. Olhando o cadeado, decidiu que devia esmagá-lo só para provar seu poder.

A alavanca bateu no cadeado, esperando quebrá-lo, mas nada aconteceu. Isto a surpreendeu. Tentou de novo, com mais força. O resultado foi o mesmo – o cadeado resistiu, e nem ficou uma marca! Estava começando a ficar irritada.

Usando toda sua força, a alavanca bateu mais vezes. Chispas saíram, e o barulho foi ensurdecedor. Finalmente, quando parou devido à exaustão, estava admirada pelo cadeado ainda estar inteiro. Era o maior obstáculo que jamais havia encontrado.

Estava tentando imaginar o que faria em seguida, quando a chave chegou. A alavanca olhou para a chave, e viu quanto era menor comparada com ela. A diferença era dramática. Ela era grande e musculosa, a chave insignificante e fraca.

A chave perguntou “Era você que estava fazendo toda essa algazarra?”

“Você ainda não viu nada Espere apenas que descanse um pouquinho e eu vou mostrar o que bom a esse cadeado.”

A chave disse “Isso não é necessário.” Entrou no cadeado e virou-se  ligeiramente. A alavanca ouviu um click, e o cadeado caiu aberto.

A Alavanca não podia acreditar. “Espere um pouco. Isto não faz sentido. Eu sou muito mais poderoso que você. Como é que pode abri-lo tão facilmente, quando eu não pude depois de tanto esforço?”

“Porque sou eu quem compreende o coração do cadeado.”

Todos encontramos obstáculos na vida. Eles nos mantém afastados das coisas que queremos, e nos deixam frustrados. Quando nos deparamos com esses obstáculos, é muito fácil ser como a alavanca, tentando usar a força bruta para quebrar ou esmagar as coisas que se interpõe em nosso caminho.

Freqüentemente descobrimos que a abordagem tipo alavanca não funciona. Por exemplo, um vendedor que encontra resistência aos seus argumentos pode tentar recorrer a táticas de venda por pressão, apenas para encontrar  maior resistência. Como no caso da alavanca, o aumento do esforço leva a muito barulho, mas pouco ou nenhum sucesso.

Ou considere o que acontece quando você entra em desacordo com outros, e sabe que você está certo. Você se torna mais enfático. Força seus argumentos e esmaga um a um os argumentos deles. Para sua frustração, eles se agarram a seus pontos de vista mais teimosamente que antes, recusando-se a ver sua lógica. A interação se torna tensa. Num certo momento, como aconteceu com a alavanca, você para devido ao cansaço.

Os sábios abordam esses obstáculos da vida de uma forma muito diferente. Baseados em sua observação da natureza, concluem que os verdadeiramente fortes não tem a aparência da força, e que, no longo prazo, o “mole” triunfa sobre o “duro” . No capítulo 43 do Tao Te Ching lemos:

As coisas mais moles do mudo
Superam as coisas mais duras do mundo

A água é infinitamente flexível e se adapta a qualquer forma, enquanto as rochas são sólidas e rígidas. Apesar disso, com o tempo a água invariavelmente penetra, corta, desgasta e remove as pedras.

Há inúmeros exemplos. Quando passa um furacão, a grama, flexível, dobra-se com o vento e sobrevive, enquanto as poderosas mas rígidas árvores são arrancadas do solo. Ou considere o que acontece quando as pessoas envelhecem. Perdem seus dentes (o “duro”) mas suas línguas (“o mole”) permanecem inalteradas,

Quando aplicamos este princípio aos assuntos  humanos, começamos a ver que forçar suas opiniões sobre os outros não é uma boa idéia. Numa discussão o mais importante não é estar “certo”. Você pode argumentar a favor da correção de sua posição até a exaustão, e não conseguir convencer os outros. Pelo contrário, pode até afastá-los ainda mais. 

Em geral, quando se tenta forçar um assunto ou forçar um acordo, os pequenos ganhos que se pode conseguir não compensam o trabalho. O esforço e o empenho não dão resultados. Pelo contrário, aumentam a tensão, destroem a harmonia e estragam relacionamentos.

Um método muito melhor – o caminho do Tao – é ser como a chave. O cadeado não é um obstáculo para a chave porque a chave conhece seu funcionamento interno. Analogamente, quando enfrentamos um problema, o que devemos fazer não é atacá-lo de fora, mas compreendê-lo internamente. Depois de compreender inteiramente a essência do problema, ele não poderá continuar como um obstáculo. Não haverá nada para esmagar nem para quebrar em pedaços.

Armado com uma compreensão completa, atingir seu objetivo vai requerer apenas um pequeno esforço. Da mesma forma que o movimento da chave, suas ações não parecerão importantes, e apesar disto estará em condições de conseguir concordância ao mesmo tempo que reduz as tensões, promove a harmonia e consolida relacionamentos. Este é o segredo do wu wei. Aparentando não fazer quase nada, não há nada que o sábio taoísta não consiga realizar. A visão do sábio – literalmente, a visão pelo lado de dentro – é a chave do segredo.

Este princípio não se aplica apenas quando encontramos problemas, mas também quando interagimos com os outros no dia a dia. O coração de cada um é como um cofre, protegido por um forte cadeado. Os tesouros no cofre representam o grande potencial do coração para amor, amizade e apoio.

Se quiser ter acesso a esse tesouro, abandone a alavanca. Não importa quão pesada seja, não conseguirá arrombar a porta. Em seu lugar, use a chave da bondade e da dedicação. Quando inserir essa chave, verá que corresponde perfeitamente ao cadeado. E com um pequeno movimento, todos os tesouros do cofre serão seus.