Lao Tzu

  Tao Te Ching

  Quem foi Lao Tzu?

Lao-tzu viveu há 25 séculos na China. Apesar dos detalhes de sua vida estarem encobertos pela névoa do tempo, sabe-se com um bom grau de certeza que seu nome era Li Er.

A lenda diz que o rei Wu de Zhou o nomeou bibliotecário dos arquivos imperiais em Luoyang1. Neste cargo Lao-tzu pode dedicar-se ao estudo de história, filosofia e literatura, desenvolvendo sua sabedoria e sua visão no processo.

Conforme outra lenda bem conhecida, Confúcio visitou Lao-tzu e saiu em profunda admiração pelo seu intelecto. Confúcio reconheceu em Lao-tzu uma compreensão profunda do mundo que, que estava acima da sua, e chegou a compará-lo ao dragão misterioso2.

Lao-tzu decidiu deixar a civilização quando a casa de Zhao começou a declinar.  Saiu de Luoyang e se dirigiu ao passo de Hangu para um destino além da Grande Muralha.

Antes de atravessar a Grande Muralha, um guarda da muralha pediu que escrevesse seus pensamentos sobre o Tao para a posteridade. Lao-tzu concordou, e escreveu um pequeno volume em duas partes, expressando o conhecimento que acumulou de forma breve e concisa, mas muito profunda. O livro sobreviveu por mais de 2500 anos, e é o que conhecemos como o Tao Te Ching.

Notas sobre a tradução do nome

O nome Lao-tzu ("Velho Mestre") é algumas vezes escrito como Lao-tse. No sistema de transliteração Pinyin, mais moderno, é escrito Laozi. Todas as formas podem ser consideradas corretas. .

"Tzu" é algumas vezes traduzido incorretamente como filho ou menino. Este erro é ampliado pela interpretação do nome, que passaria a ser literalmente "velho menino", com o sentido de velho e sábio, porém jovem de coração. Isto é ridiculamente incorreto. Em outros contextos "tzu" pode significar "filho" ou "menino", mas neste contexto o único significado válido é "mestre".

Notas do tradutor para português

1 Luoyang era a capital da China na época de Lao-tzu.

2 A expressão "dragão misterioso" é uma referência a um texto de Sze-mâ Khien, o primeiro grande historiador chinês, morto por volta de 85 DC. Em sua descrição desse encontro, cita o seguinte texto que teria sido o comentário de Confúcio para seus discípulos, após o encontro: "Eu sei como os pássaros podem voar, os peixes nadar e os animais correr. Mas o que corre pode ser laçado,  o que nada pode ser pescado, o que voa pode ser derrubado pela flecha. Mas existe o dragão - não sei como se eleva no vento sobre as nuvens e sobe aos céus. Hoje conheci  Lao-tzu, e só posso compará-lo ao dragão".